Ao se buscar por informações na Internet, é possível encontrar tanto referências às propriedades e benefícios dos mais variados nutrientes como dados contraditórios, informações incompletas e, por vezes, errôneas. Por isso, é importante fazer uma análise crítica sobre a origem e a fundamentação das informações. Sobre os ácidos graxos ômega-3, não é diferente: mesmo estudos clínicos sobre seus efeitos às vezes trazem resultados que, se não forem analisados criteriosamente, podem parecer conflitantes.

Segundo a Dra. Maria Inês Harris, consultora da Biobalance, a principal origem dos dados conflitantes está na questão da qualidade do produto empregado em cada trabalho científico. “Alguns estudos são conduzidos com a suplementação com óleo de peixe comum, por exemplo, que apresenta uma baixa proporção de ômega-3/ômega-6, ou com a suplementação de ômega-3 de origem vegetal, que contém ácido linolênico (ALA) e não EPA (ácido eicosapentaenoico) ou DHA (ácido docosahexaenoico), e que além de ter baixa taxa de conversão em EPA, pode se converter em ômega-6 no organismo. Em muitos desses estudos, não se observam diferenças significativas entre os grupos tratado e de controle.

“No entanto, no caso de estudos clínicos realizados com a suplementação usando produtos purificados que contém altos teores de EPA e DHA e sem ômega-6, os benefícios são comprovados e reconhecidos por diversas entidades, como a  American Diabetes AssociationAmerican Heart AssociationEuropean Atherosclerosis Society/European Society of Cardiology,  National Lipid Association, aponta a Dra. Maria Inês Harris, consultora da Biobalance.

Ela destaca que os avanços nas técnicas de genômica e metabolômica permitiram entender melhor como o ômega-3 atua no organismo. Por exemplo, foi demonstrado que a suplementação com ômega-3 pode reduzir os efeitos da predisposição genética à dislipidemia, que é o desequilíbrio nos níveis de colesterol e triglicérides no sangue. A suplementação com ômega-3 demonstrou diminuir os níveis de colesterol total, LDL-C (colesterol ruim) e triglicérides, enquanto acentuou o potencial genético para níveis sanguíneos elevados de HDL-C, que é considerado como bom colesterol.

Ácidos graxos ômega-3

ômega-3 é um tipo de gordura de cadeia longa e poli-insaturada. Trata-se, na verdade, de um grupo, que inclui os ácidos eicosapentaenoico (EPA), o docosahexaenoico (DHA) e o alfa-linolênico (ALA). Apenas EPA e DHA são precursores diretos de resolvinas e protectinas, moléculas endógenas que regulam a cascata inflamatória e modulam a resposta imunológica sendo, portanto, necessária a conversão de ALA em EPA e DHA, o que ocorre em taxas muito baixas (<10%), que são ainda inferiores quando há coadministração de ômega-6, sempre presentes nos óleos vegetais.

Como obter estes nutrientes?

“Embora o corpo humano seja capaz de converter o ALA presente nos óleos de origem vegetal em EPA e DHA com a ajuda da enzima elongase, essa conversão é feita apenas a uma baixa taxa”, explica a especialista. “Por isso, a principal maneira de se obter EPA e DHA é através da suplementação e também da ingestão de peixes ricos em ômega-3”, finaliza a especialista.

Sobre a Biobalance – As linhas Biobalance visam promover saúde e bem-estar, através de produtos inovadores, naturais e de alta qualidade, com ingredientes que tenham por finalidade estimular as defesas naturais e o equilíbrio fisiológico do corpo humano. Suas linhas são encontradas nas farmácias e lojas de suplementos de todo o Brasil. Mais informações são encontradas no site e Instagram. SAC: sac@biobalance-nutraceuticals.com ou 0800-771-8438.

Fonte: Bahia Recôncavo

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X