Roland Seitre | Nature Picture Library

Pesquisadores da Alemanha descobriram 26 “cidades” da era pré-colonial na Amazônia da Bolívia. Inédito, o achado foi descrito em um estudo publicado na revista científica “Nature” na quarta-feira, 25.

Foram descobertos dois grandes assentamentos e mais 24 menores. Destes 26, 11 ainda não eram conhecidos. Segundo os cientistas, os locais são “assentamentos urbanos de baixa densidade”, que pertenceram à cultura Casarabe, uma civilização que se desenvolveu no sudoeste da Amazônia boliviana no período de 500 a 1400 d.C. 

“Esta é a primeira evidência clara de que havia sociedades urbanas nesta parte da Bacia Amazônica”, afirmou Jonas Gregorio de Souza, arqueólogo da Universidade Pompeu Fabra, em Barcelona, ​​Espanha. O estudo se soma a um crescente corpo de pesquisas que indicam que a Amazônia – que se pensava ter sido um deserto intocado antes da chegada dos europeus – era o lar de sociedades avançadas bem antes disso, segundo a Nature.

A descoberta foi realizada através do uso de uma tecnologia de sensoriamento chamada “Lidar, que usa lasers para gerar uma imagem 3D do solo. Os métodos permitiram que os cientistas “removessem” virtualmente a vegetação densa da região, para visualizar o que havia abaixo das árvores.

“Temos essa imagem da Amazônia como um deserto verde – desprovido de qualquer tipo de cultura”, afirmou Heiko Prümers, arqueólogo do Instituto Arqueológico Alemão com sede em Berlim e membro da equipe de descobertas. Mas após os estudos apontarem que as civilizações cresceram e prosperaram em outras áreas tropicais, ele observa: “Por que algo assim não deveria existir aqui?”

A arquitetura dos assentamentos revelam plataformas escalonadas, com estruturas em forma de U e pirâmides cônicas de até 22 metros de altura. Também havia uma infraestrutura voltada à gestão de água, com canais e reservatórios.

Para os cientistas, o padrão de assentamento da cultura Casarabe indicam um tipo de urbanismo tropical de baixa densidade que não havia sido descrito anteriormente na Amazônia.

“Propomos que o sistema de assentamento da cultura Casarabe é uma forma singular de urbanismo agrário tropical de baixa densidade – até onde sabemos, o primeiro caso conhecido para toda a planície tropical da América do Sul”, dizem os pesquisadores.

Batizados de Cotoca e Landívar, os dois assentamentos maiores encontrados pelos cientistas foram, de acordo com os cientistas, “centros primários na rede de assentamentos da cultura Casarabe.

Fonte: A Tarde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.