Jovens rurais da região semiárida dos estados da Bahia e do Piauí se reuniram em evento, realizado no município de Juazeiro, no território de identidade Sertão do São Francisco, para traçar estratégias para a implantação dos Territórios de Aprendizagem no Brasil. O programa, liderado pela Procasur em alguns países da América Latina, está sendo implementado e financiado em parceria com o Programa Semear Internacional e o apoio dos projetos Fida, a exemplo do Pró-Semiárido, ação do governo da Bahia com cofinanciamento do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida).

O trabalho com os Territórios de Aprendizagem incentiva o desenvolvimento de capacidades locais para a gestão associativa do conhecimento de produtores, famílias, comunidades e associações rurais, promovendo, assim, o desenvolvimento e progresso dessas iniciativas. O evento teve o objetivo de planejar ações efetivas que garantam as primeiras experiências de trocas de saberes entre agricultores e agricultoras do Semiárido. A ideia é que os intercâmbios possam fortalecer as boas práticas das famílias agricultoras e gerar renda a partir da “venda do conhecimento”.

Mireya Valencia, que é membro da equipe de apoio técnico da Procasur, e está facilitando o evento, explicita que essa é uma ação que integra e fortalece iniciativas que já são desenvolvidas no Brasil: “A gente está tentando juntar experiências que não sejam dispersas e que possam vir como um imenso guarda-chuva, que estamos chamando de território de aprendizagem, e que possam somar outras ações. Estes jovens que estão conosco têm aprimorado suas habilidades a partir do nosso trabalho com eles e isso vai potencializar bem mais estes benefícios que trazem os projetos Fida”.

Neste sentido, o grupo com 04 jovens, que moram em municípios dos territórios Sertão do São Francisco e Piemonte Norte do Itapicuru na Bahia, está desde o ano passado participando de formações. Agora, nesse primeiro evento presencial, o grupo começa a construir a primeira ação prática, relacionada com a realização de um intercâmbio, que trará agricultores e agricultoras do Piauí para trocar saberes e conhecer experiências bem-sucedidas da agricultura familiar baiana.

“O plus desta estratégia é que são talentos rurais, agricultores e agricultoras que se destacam pelo seu conhecimento e pela sua relevância prática em seus sistemas produtivos ou associativos e acesso a mercados. Esses talentos rurais são os que mais têm potencial para partilhar seus conhecimentos. E os jovens vão facilitar tudo isso”, explica, Mireya Valencia.

Para o técnico de desenvolvimento agroindustrial do Pró-Semiárido, Egnaldo Xavier, os territórios de aprendizagem serão um legado que o projeto deixará após seu término: “Esta é uma ação do projeto na perspectiva de fortalecer o trabalho com jovens e mulheres, que também tem a ver com a estratégia de gestão do conhecimento, com vistas ao fortalecimento das organizações econômicas porque o Pró-Semiárido fez um investimento grande na estruturação de cooperativas, de grupo de mulheres na base produtiva e estes investimentos e conhecimentos acumulados podem e devem ser gerenciados e ser repassados para outras pessoas do Brasil e do mundo”.

A gestão do conhecimento a partir dos territórios de aprendizagem está diretamente ligada à estratégia de sustentabilidade dos projetos Fida no Brasil. Na Bahia, com a saída do Pró-Semiárido, espera-se que esse grupo esteja fortalecido e possa agregar mais jovens na perspectiva da gestão de saberes e geração de renda. E que ajudem a fortalecer as organizações.

A ideia é que estas(es) jovens construam um cronograma de ação com atividades a serem executadas até o final de novembro e que entre as atividades, aconteça o primeiro intercâmbio de agricultores(as). Para tanto, o grupo terá que montar um planejamento que envolva custos, logística e divulgação da ação. As ações práticas piloto contarão com o apoio técnico da Procasur e do Pró-Semiárido.

O Pró-Semiárido é um projeto do Governo do Estado, executado pela Secretaria de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), com cofinanciamento do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida).

Repost: Bahia Recôncavo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *