Segundo a consultoria de cibersegurança NordVPN, mais de 144 mil cartões de pagamentos foram ‘roubados’ no Brasil e colocados à venda na dark web. Esse número coloca o Brasil como o campeão de golpes com cartões na América do Sul e em 5º lugar entre os países que mais sofrem com roubos e fraudes no mundo.

Ainda de acordo com a consultoria, os cartões são colocados à venda na dark web (a internet subterrânea que opera com redes anônimas e não rastreáveis) por um preço médio de 42,25 reais. Atualmente, existem 92 mil cartões brasileiros disponíveis e à venda ilegalmente.

De acordo com Francisco Gomes Junior, advogado especialista em direito digital e presidente da ADDP (Associação de Defesa de Dados Pessoais e Consumidor), os dados alarmantes da quantidade de cartões à venda reforçam a importância de cuidar melhor dos dados pessoais. “Para colocar esses cartões em circulação, os golpistas conseguiram recolher inúmeros dados pessoais das vítimas, como nome, endereço, telefone, e-mail, ou seja, ao disponibilizarmos nossos dados pessoais na internet, sem muito critério, nos sujeitamos a que eles sejam capturados e utilizados em fraudes”.

Segundo a NordVPN, a arrecadação com a venda dos cartões fraudados pode gerar aos cibercriminosos cerca de 18,5 milhões de dólares, o equivalente a 93 milhões de reais. Para a confecção desses cartões, os golpistas recolhem os dados pessoais das vítimas disponíveis na internet, muitas vezes por meio de phishing, o link em que a vítima clica e permite o acesso a dados armazenados em seu celular ou computador.

As dicas para evitar ser vítima do golpe do cartão são conhecidas, como ter senhas fortes em seus aparelhos, sempre utilizar a verificação em duas etapas, tomar cuidados especiais com aplicativos bancários e somente autorizar operações financeiras após checar com seu banco e gerente, além de ter um software anti-malware instalado.

“Apesar de dicas de segurança serem conhecidas, as pessoas continuam caindo em golpes. Isso porque os bandidos se utilizam de artimanhas como a engenharia social (uma conversa convincente que conquista a confiança da vítima), além da simulação da verdade (que usa títulos como fraude bancária, prova de vida INSS, verificar seu auxílio ou bolsa família, dentre outros) e do senso de urgência (você deve fazer algo imediatamente para evitar uma fraude ou maior risco). Ou seja, simples dicas não se mostram suficientes para inibir os golpes”, complementa Gomes Júnior.

De fato, do levantamento efetuado pela consultoria de cibersegurança, em análise de 6 milhões de cartões encontrados na dark web constatou-se que 67% deles vem com informações privadas das vítimas, como endereço, telefone e e-mail.

“Muitas pessoas, que inclusive nem entendem muito de golpes digitais, repetem dicas diariamente nas plataformas. Isso não está ajudando, a não ser na promoção dos próprios perfis. Está na hora de ouvir especialistas para conselhos mais contundentes. Um exemplo: não faça nenhuma operação bancária por telefone, dentre tantas outras que se mostrem efetivas e não apenas um lugar comum”, finaliza o especialista.

Fonte: Bahia Recôncavo

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X